• Galeria de Vídeos

“A Turquia seguirá até ao final os seus direitos nos tratados e no direito internacional”

Erdogan discursou durante uma reunião do seu partido e deixou avisos ao governo greco-cipriota sobre as iniciativas unilaterais de prospeção de gás natural, nas águas territoriais de Chipre, e falou também das violações gregas de território no Egeu.

“A Turquia seguirá até ao final os seus direitos nos tratados e no direito internacional”

O presidente Recep Tayyip Erdogan fez sérios avisos aos governos grego e greco-cipriota. Reagindo às atividades unilaterais de prospeção de gás natural que a Autoridade Greco-Cipriota está a desenvolver no Mediterrâneo Oriental , e às violações territoriais por parte da Grécia no Mar Egeu, Erdogan disse “não passem dos limites”.

Receo Tayyip Erdogan, o presidente da Turquia e secretário geral do Partido da Justiça e Desenvolvimento (partido AK), discursou perante o seu grupo parlamentar na Grande Assembleia Nacional da Turquia (TBMM, na sua sigla em turco).

Uma parte do discurso dirigiu-se contra as iniciativas unilaterais de prospeção de gás natural que a Autoridade Greco-Cipriota está a desenvolver no Mediterrâneo Oriental, sem ter em conta os direitos da República Turca do Chipre do Norte. O presidente turco referiu-se também às tentativas gregas, nos últimos dias, de violação do território turco nas rochas do Mar Egeu.

Erdogan afirmou que “que ninguém espere que deixemos de estar atentos perante as iniciativas oportunistas de prospeção de gás natural no alto mar de Chipre e nas rochas do Mar Egeu. Avisamos desde aqui aqueles que ultrapassam os seus limites em Chipre e no Mar Egeu, para que não façam cálculos errados. A Turquia seguirá até ao final os seus direitos nos tratados e no direito internacional”.

O presidente Erdogan disse também que “para nós, são iguais os nossos direitos em Afrin (na Síria) e os nossos direitos no Mar Egeu e em Chipre”.

Erdogan salientou ainda que estão a ser observados de perto os desenvolvimentos na região, e acrescentou que “os nossos navios e a nossa força aérea observam tudo de perto, para realizarem qualquer tipo de intervenção se for necessário”.



Notícias relacionadas